Tamanho do Texto + | tamanho do texto -

DEPÓSITO DE BENS MÓVEIS

Pelo contrato de depósito recebe o depositário um objeto móvel, para guardar, até que o depositante o reclame.

O depósito voluntário provar-se-á por escrito.

REMUNERAÇÃO

O contrato de depósito é gratuito, exceto se houver convenção em contrário, se resultante de atividade negocial ou se o depositário o praticar por profissão.

Se o depósito for oneroso e a retribuição do depositário não constar de lei, nem resultar de ajuste, será determinada pelos usos do lugar, e, na falta destes, por arbitramento.

OBRIGAÇÕES DO DEPOSITÁRIO

O depositário é obrigado a ter na guarda e conservação da coisa depositada o cuidado e diligência que costuma com o que lhe pertence, bem como a restituí-la, com todos os frutos e acrescidos, quando o exija o depositante.

Se o depósito se entregou fechado, colado, selado, ou lacrado, nesse mesmo estado se manterá.

O herdeiro do depositário, que de boa-fé vendeu a coisa depositada, é obrigado a assistir o depositante na reivindicação, e a restituir ao comprador o preço recebido.

RESTITUIÇÃO

Salvo disposição em contrário, a restituição da coisa deve dar-se no lugar em que tiver de ser guardada.

As despesas de restituição correm por conta do depositante.

Ainda que o contrato fixe prazo à restituição, o depositário entregará o depósito logo que se lhe exija.

Salvo nas hipóteses previstas de retenção, não poderá o depositário furtar-se à restituição do depósito, alegando não pertencer a coisa ao depositante, ou opondo compensação, exceto se noutro depósito se fundar.

Hipóteses de Retenção

O depositário poderá reter o depósito até que se lhe pague a retribuição devida, o líquido valor das despesas, ou dos prejuízos ocorridos pelo depósito, provando imediatamente esses prejuízos ou essas despesas.

Também poderá reter se o objeto for judicialmente embargado, se sobre ele pender execução, notificada ao depositário, ou se houver motivo razoável de suspeitar que a coisa foi dolosamente obtida (como, por exemplo, mercadoria obtida por contrabando, roubo ou desvio de carga).

Na hipótese de suspeita de dolo, o depositário, expondo o fundamento da suspeita, requererá que se recolha o objeto ao Depósito Público.

INTERESSE DE TERCEIRO

Se a coisa houver sido depositada no interesse de terceiro, e o depositário tiver sido cientificado deste fato pelo depositante, não poderá ele exonerar-se restituindo a coisa a este, sem consentimento daquele.

DEPÓSITO JUDICIAL

Ao depositário será facultado, outrossim, requerer depósito judicial da coisa, quando, por motivo plausível, não a possa guardar, e o depositante não queira recebê-la.

PERDA

O depositário, que por força maior houver perdido a coisa depositada e recebido outra em seu lugar, é obrigado a entregar a segunda ao depositante, e ceder-lhe as ações que no caso tiver contra o terceiro responsável pela restituição da primeira.

SOLIDARIEDADE

Sendo dois ou mais depositantes, e divisível a coisa, a cada um só entregará o depositário a respectiva parte, salvo se houver entre eles solidariedade.

VEDAÇÕES

Sob pena de responder por perdas e danos, não poderá o depositário, sem licença expressa do depositante, servir-se da coisa depositada, nem a dar em depósito a outrem.

RESPONSABILIDADE

Se o depositário, devidamente autorizado, confiar a coisa em depósito a terceiro, será responsável se agiu com culpa na escolha deste.

DEPOSITÁRIO INCAPAZ

Se o depositário se tornar incapaz, a pessoa que lhe assumir a administração dos bens diligenciará imediatamente restituir a coisa depositada e, não querendo ou não podendo o depositante recebê-la, recolhê-la-á ao Depósito Público ou promoverá nomeação de outro depositário.

FORÇA MAIOR

O depositário não responde pelos casos de força maior; mas, para que seja aceita a justificativa, terá de prová-los.

DEPOSITANTE - OBRIGAÇÕES

O depositante é obrigado a pagar ao depositário as despesas feitas com a coisa, e os prejuízos que do depósito provierem.

CAUÇÃO

Se as dívidas, despesas ou prejuízos oriundos do depósito não forem provados suficientemente, ou forem ilíquidos, o depositário poderá exigir caução idônea do depositante ou, na falta desta, a remoção da coisa para o Depósito Público, até que se liquidem.

MÚTUO

O depósito de coisas fungíveis, em que o depositário se obrigue a restituir objetos do mesmo gênero, qualidade e quantidade, regular-se-á pelo disposto acerca do mútuo. Veja tópico Contrato de Mútuo.

Bases: artigos 627 a 646 do Código Civil.

Tópicos relacionados:

Contrato de Mútuo

Obtenha centenas de modelos de contrato: 

Chega de gastar tempo com digitação,você encontrará nesta obra centenas de modelos de contratos e documentos editáveis em seu computador! Clique aqui para mais informações.

Clique aqui se desejar imprimir este material.
Clique aqui para retornar.


Mapa Jurídico - Índice

Não autorizamos reproduções (total ou parcial), revenda ou qualquer outra forma de distribuição (gratuita ou paga) do conteúdo deste Mapa Jurídico.
Todas nossas publicações têm direitos autorais registrados, conforme Lei nº 9.610/98.