Tamanho do Texto + | tamanho do texto -

PROTESTO DE TÍTULO CAMBIAL PRESCRISTO 

Protesto – Conceito

Protesto é o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência, seja de pessoa física ou jurídica, e o descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de dívida.

Somente o Tabelião e seus prepostos designados podem lavrar o protesto.

O protesto, basicamente, se destina a duas finalidades: a primeira é de provar publicamente o atraso do devedor; a segunda função do protesto é resguardar o direito de crédito.

Lei 9.492/1997 regula os serviços e procedimentos para o protesto de títulos e documentos de dívida.

Do Prazo

De acordo com o procedimento instituído pela Lei 9.492/1997 no artigo 12, o prazo para ser registrado o protesto é de 3 (três) dias úteis, contados da protocolização do título ou documento de dívida.

Após a protocolização do título ou documento de dívida realizado no Cartório de Protestos de Títulos e Documentos feito pelo credor, o Tabelião de Protesto expedirá a intimação ao devedor para que cumpra com o pagamento dentro do prazo de 3 (três) dias úteis, previsto na Lei do Protesto.

Na falta de pagamento pelo devedor será lavrado o registro do protesto do título ou documento de dívida.

Protesto de Título Cambial Prescrito

O título cambial, o cheque, é um título de crédito que tem natureza de título executivo extrajudicial conforme está definido no artigo 585 inciso I do Código de Processo Civil.

De acordo com a Lei do Cheque 7.357/1985, o credor terá o prazo de 6 (seis) meses, contados a partir da data de apresentação, para promover a competente ação de execução de título extrajudicial, caso tenha o título cambial algum vício caracterizado em razão do não pagamento por falta de provisão de fundos, sustação indevida, ou outro meio em que a obrigação não pode ser cumprida.

O credor ao receber o título cambial, objeto de pagamento do negócio jurídico realizado com o devedor, fica na expectativa de que a satisfação da obrigação se realize com a devida compensação do título cambial dentro da data estipulada pelas partes.

Caso o título cambial no momento de sua apresentação ao banco, não venha a ser compensado por falta de provisão de fundos, ou algum outro motivo que não se realize o pagamento, caberá ao credor tomar algumas medidas em face do devedor para que a obrigação seja adimplida.

Procedimentos pelo credor

O credor poderá em razão do não cumprimento no pagamento do título cambial proceder: a) entrar em contato com o devedor notificando-o para que a obrigação seja adimplida dentro de um determinado prazo; b) no caso da negativa pelo devedor em não cumprir com o pagamento, poderá o credor ir ao Cartório de Protestos de Títulos e Documentos protocolizar o título cambial, o qual será encaminhado ao Tabelião e o mesmo intimará o devedor para cumprir com o pagamento, caso contrário o título será protestado; c) ou então poderá inclusive propor a ação de execução conforme está previsto na Lei do Cheque, obedecendo o prazo prescricional de 6 (seis) meses contados a partir da data de apresentação do título cambial junto a instituição financeira.

Na falta de ação pelo credor dentro do prazo estipulado o título cambial perderá a sua eficácia executiva e estará viciado pela prescrição.

Só poderá o credor promover o protesto de título cambial que não esteja prescrito, ou seja, o título cambial deverá estar revestido da natureza da execução conforme está previsto no artigo 47 da Lei do Cheque 7.357/1985.

Em caso de alguma inadimplência por parte do devedor, o credor deverá observar a data da apresentação atestada pelo banco do título cambial que foi enviado, para que tome as medidas cabíveis para ajuizar a competente ação de execução de título extrajudicial, pois terá o prazo de 6 (seis) meses contados da data da apresentação para exercer o direito de ação pela via executiva para que a obrigação seja cumprida pelo devedor.

Durante este lapso temporal de 6 (seis) meses, pode o credor apresentar o título cambial para o protesto, inclusive a partir do momento da data de apresentação.

Benefício do Protesto do Cheque

A apresentação do título cambial que for apresentado ao Cartório de Protesto a partir da data de apresentação feita pelo banco, de acordo com o artigo 202 do Código Civil, inciso III, traz um benefício em relação a prescrição assim disposto: - A interrupção da prescrição, que somente poderá ocorrer uma vez, dar-se-á por protesto cambial.

Ou seja, como a ação de execução prevista no art. 47 da Lei do Cheque 7.357/1985, deve ser ajuizada dentro do prazo prescricional de 6 (seis) meses conforme está previsto no art. 59 da Lei do Cheque 7.357/1985.

O prazo conta-se a partir da data de apresentação definida no artigo 33 da Lei do Cheque 7.357/1985, com a realização do protesto cambial desde que o título não esteja prescrito, por força do estipulado no artigo 202 inciso III do Código de Processo Civil, fica interrompido o prazo prescricional para o ajuizamento da ação de execução, enquanto durar o protesto cambial.

Por um outro lado,  levar um título cambial prescrito a protesto é um risco para o credor, pois poderá ter que promover a reparação civil se caso proceder desta forma.

JURISPRUDÊNCIA

O Superior Tribunal de Justiça em sua jurisprudência no Recurso Especial nº 602.136/PB, Órgão Julgador: Terceira Turma, Relator: Min. Carlos Alberto Menezes Direito. Data do julgamento: 07 dez. 2004. Publicação: Diário de Justiça, 11 abr. 2005, p. 291) se pronunciou sobre tema:

Indenização. Protesto de cheque prescrito e sem a devida notificação. Dano moral caracterizado.

1. O simples fato de enviar a protesto cheque prescrito e sem que feita a devida notificação, como reconhecido nas instâncias ordinárias, acarreta o dever de indenizar.

2. Recurso especial conhecido e provido.

RECOMENDAÇÃO

Recomenda-se ao credor tomar todas as precauções para que o pagamento seja cumprido e a obrigação seja adimplida, observando sempre o cumprimento de cada prazo prescricional exigido em Lei.

Tópicos relacionados:

Execução de Título Extrajudicial Cambial (Cheque)

Clique aqui se desejar imprimir este material.
Clique aqui para retornar.


Mapa Jurídico - Índice

Não autorizamos reproduções (total ou parcial), revenda ou qualquer outra forma de distribuição (gratuita ou paga) do conteúdo deste Mapa Jurídico.
Todas nossas publicações têm direitos autorais registrados, conforme Lei nº 9.610/98.