Tamanho do Texto + | tamanho do texto -

CHEQUE - NORMAS E PRESCRIÇÃO

O cheque é classificado tecnicamente no direito comercial e empresarial com a denominação de título de crédito, o qual é um instrumento de mobilização bancária, e uma ordem de pagamento à vista.

A Lei 7.357/1985, conhecida como a Lei do Cheque regulamentou o procedimento deste título de crédito, com destaque para alguns pontos fundamentais nas relações comerciais que devem ser observados:

a) o cheque deve ser emitido contra banco ou instituição financeira que lhe seja equiparada;

b) a existência de um saldo credor do emitente em conta fundada em contrato de depósito bancário ou abertura de crédito.

APRESENTAÇÃO E DO PAGAMENTO

O cheque é uma ordem de pagamento à vista, e o mesmo deve ser apresentado para pagamento, a contar do dia da emissão, no prazo de 30 (trinta) dias, quando emitido no lugar onde houver de ser pago; e de 60 (sessenta) dias, quando emitido em outro lugar do País ou no exterior.

Quando o cheque é emitido entre lugares com calendários diferentes, considera-se como de emissão o dia correspondente do calendário do lugar de pagamento.

A apresentação do cheque à câmara de compensação equivale à apresentação a pagamento.

O cheque apresentado para pagamento antes do dia indicado como data de emissão é pagável no dia da apresentação.

DA INADIMPLÊNCIA NO PAGAMENTO DO CHEQUE

O não pagamento de uma obrigação, responsabilidade, compromisso, enseja o dever de prestação de contas, o que em razão de uma inadimplência no pagamento poderá o credor que se sentir lesado buscar os meios cabíveis para ver a sua pretensão atendida, o que enseja o dever de reparação.

O cheque por ser um título de crédito, é considerado pelo ordenamento processual civil como um título executivo extrajudicial conforme está preceituado no artigo 585 inciso I, do Código de Processo Civil:

Art. 585 - São títulos executivos extrajudiciais:

I - a letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata, a debênture e o cheque

Com a garantia processual da Execução, o artigo 47 da Lei Cambial prevê que em caso da inadimplência quanto ao pagamento utilizado através deste título, poderá o portador do mesmo promover a execução contra o emitente e seu avalista, contra os endossantes e seus avalistas, se o cheque apresentado em tempo hábil e a recusa de pagamento é comprovada pelo protesto ou por declaração do sacado, escrita e datada sobre o cheque, com indicação do dia de apresentação, ou, ainda, por declaração escrita e datada por câmara de compensação.

Sendo que deverá ser observado criteriosamente o prazo prescricional para a execução do título em questão, o que por força do artigo 59 da Lei 7.357/1985, o prazo é de 6 (seis) meses contados da expiração do prazo de apresentação, para propor a ação de Execução de Título Extrajudicial.

CHEQUE – TÍTULO PRESCRITO

Caso nas relações empresariais o credor que se sentir lesado pela alguma inadimplência causada pelo devedor, e que esteja a relação negocial ligada ao pagamento com cheques, deverá atentar com cuidado ao prazo estabelecido em lei para a cobrança.

Pelo ordenamento jurídico, a ação competente para cobrança do cheque em relação ao prazo prescricional, é a Ação de Execução de Título Extrajudicial com observância no disposto nos artigos 585 inciso I do código de Processo Civil e art. 47 da Lei 7.357/1985.

O prazo a ser observado pelo portador para a propositura da ação executória é de 6 (seis) meses, contados da expiração do prazo de apresentação que estão definidos no artigo 33 da Lei 7.357/1985.

Caso o portador não exerça o seu direito de ação dentro do prazo previsto no artigo 59 da Lei do Cheque, estará o título em questão carecedor da força executiva, perdendo a sua eficácia de título de crédito, o que para efeitos executivos estará prescrito em razão de que não fora cumprida a obrigação de fazer dentro do prazo previsto, e não poderá o portador exercer mais o seu direito pela via executiva.

O Excelso Pretório (STF) editou em sede de sua jurisprudência a Súmula nº 600, advertindo que a ação executória do título cambial é cabível somente no caso de a mesma for proposta dentro do prazo de prescrição que a Lei Cambial prevê, do contrário não terá cabimento a via executiva de um título que já se encontra prescrito.

Súmula 600 STF – “Cabe ação executiva contra o emitente e seus avalistas, ainda que não apresentado o cheque ao sacado no prazo legal, desde que não prescrita a ação cambiária.

Caso o título cambial já esteja definitivamente prescrito, caberá ao portador outras alternativas judiciais para fazer valer o seu direito em exigir o cumprimento da obrigação pelo devedor, o que poderá ajuizar a competente Ação Monitória a qual é uma via judicial cabível em relação a títulos cambiais prescritos, como o cheque, e ainda as ações de enriquecimento ilícito e enriquecimento sem causa, além  da ação de cobrança que no caso exige-se prova da relação comercial, relação de consumo como notas de venda, comprovantes que comprovam a relação jurídica.

Em relação a Ação Monitória, o procedimento está previsto nos artigos 1.102-A a 1.102-C do Código de Processo Civil, considerando ainda o disposto na Súmula 299 do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que “ É admissível a ação monitória fundada em cheque prescrito.”

Em relação as ações de enriquecimento ilícito (ação de locupletamento injusto) e de enriquecimento sem causa, os procedimentos estão definidos respectivamente nos artigos 61 e 62 da Lei Cambial (7.357/85).

A ação judicial de enriquecimento ilícito (ação de locupletamento injusto) dispensa a prova da existência da relação causal, bastando a simples exibição do cheque prescrito, com prazo prescricional de 2 (dois) anos, a contar da prescrição da execução.

A ação de enriquecimento sem causa (locupletamento causal) para a sua propositura, é necessária a demonstração da relação fundamental, ou seja, do negócio que deu origem ao cheque. Como exemplo nas relações comerciais, alguma nota fiscal, notas de venda em relação ao produto e ao serviço prestado etc. O que o título servirá apenas como prova da inadimplência da relação fundamental.

E neste tipo de ação baseada na relação causal, o credor poderá se valer de duas opções: manejar ação de cobrança baseada na inadimplência do devedor ou realizar a propositura da ação causal propriamente dita para discussão do negócio fundamental, o que pode ser proposta a qualquer tempo inclusive enquanto o cheque tiver força executiva, sendo o que é mais comum propor-se a ação de cobrança.

Tópicos relacionados:

Execução de Título Extrajudicial Cambial (Cheque)

Prescrição no Título Cambial (Cheque) - Procedimentos Judiciais

Protesto de Título Cambial (Cheque) Prescrito

Clique aqui se desejar imprimir este material.
Clique aqui para retornar.


Mapa Jurídico - Índice

Não autorizamos reproduções (total ou parcial), revenda ou qualquer outra forma de distribuição (gratuita ou paga) do conteúdo deste Mapa Jurídico.
Todas nossas publicações têm direitos autorais registrados, conforme Lei nº 9.610/98.